Monday, August 15, 2005

à procura da namorada em agosto?

30 Comments:

Blogger jcachorro said...

E se continuar a procurar ali ainda encontra uma Sereia..ou uma Boga..ou uma Taínha!!! :P

3:17 PM  
Anonymous Kay said...

este é daqueles que em Agosto tira férias para descansar de tudo. até delas.

7:47 PM  
Anonymous Anonymous said...

Penso que não.

R.

4:46 PM  
Anonymous Anonymous said...

Será local para encontrar namorads ?
Um abraço,
António P.

7:31 PM  
Anonymous Fabs Costa said...

Não me parece!
Não...
Não está á procura de namorada, alguma?

É fotografo!
Está a pensar qual o melhor enquadramento para fazer uma boa fotografia...

1:04 AM  
Anonymous Anonymous said...

"Quem me dera ir aos Açores!"- pensa ele!

ass:
massa sovada

1:12 AM  
Anonymous Anonymous said...

está à procura dela ... da Onda!
fresquinha e salgadinha...

11:11 AM  
Anonymous Anonymous said...

Este não mergulha.

R.

3:46 PM  
Anonymous Anonymous said...

.. por vezes as melhores surpresas vêm de onde menos esperamos ....

4:02 PM  
Anonymous Fabs Costa said...

E os desencantos Também!

6:26 PM  
Anonymous António Variações said...

E a propósito dos Açores,...
Ele pensa:

Adeus que me vou embora
Adeus que me embora vou
Vou daqui prá minha terra
Que eu desta terra não sou

Tenho minha mãe à espera
Cansada de me esperar
Naquela encosta da serra
Vamos ser dois a chorar

À espera tenho o meu pai
Aos anos que o não vejo
O tempo que vai durar
O meu abraço e o meu beijo

Vim solteiro e vou solteiro
Vou livre de coração
Se alguém me quiser prender
Já não vou dizer que não

Adeus que me vou embora
Adeus que me embora vou

6:32 PM  
Anonymous Fabs Costa said...

Não vás!
Bebe mais um copo!

A culpa é da vontade
Que vive dentro de mim.

10:16 PM  
Anonymous Ramón Sampedro (a gaivota) said...

Este pobre marinheiro um pouco ingénuo e idiota que vê uma gaivota e embarca no vento a percorrer o mar.

E apesar de não ter corpo,
deita a voar a alma
atada ao pensamento,
que é a sua forma de amar e de caminhar

Eu já te conhecia
e tu também a mim;
não sabia o teu nome
mas tinha a certeza
de que andavas por aí.

Não importa que te veja,
não importa que me chames,
esse deus que tu tens
e esse outro que eu tenho
pariram-nos iguais.

10:25 PM  
Anonymous Anonymous said...

gosto cada vez mais de aqui vir. pelas imagens, que estão cada vez melhores e agora também pela poesia!
este é sem dúvida um excelente blog!

sweet kiss**

12:17 PM  
Anonymous Soledade Costa - Fora de Mão (huum!) said...

Aprendi mais do que sei
Sei coisas que desconheço
Ando em busca das palavras
Que são lidas ao avesso

Faz-me falta
O que já tenho
Dos sonhos que construí
Só as minhas mãos estão cheias
Desmentem o que não fiz

Apenas faço um aceno
Um sinal
Dia após dia
Sentado à beira do mundo
Para dizer que estou aqui
Quem me achar que me acompanhe
Ao lugar de onde parti

A minha vida não pára
E corre no meu caminho
Esta teima do destino
Em dar-me o que sempre quis

Faço mais do que digo
Digo mais do que penso
Tenho tudo e nada tenho
Que a tudo e a todos pertenço

Olho os homens
Olho o mundo;
Vejo uma estrela cadente.

Ando em busca das palavras que não trazem remetente

11:23 PM  
Anonymous Isabel Ambrósio said...

Trovante!
Não é?

Também estou a gostar cada vez + de vir aqui, mas é a primeira vez que deixo um comentário!

Parabens!
Um abraço

2:49 PM  
Anonymous Carlos "t" said...

Recebi o teu bilhet
Para ir ter ao jardim
A tua caixa de segredos
Queres abri-la para mim

E tu não vais fraquejar
Ninguém vai saber de nada
Juro que não me vou gabar
A minha boca é sagrada

De estar mesmo atrás de ti
Ver-te da minha carteira
Sei de cor o teu cabelo
Sei o champôo a que cheira

Já não como, já não durmo
E eu caia se te minto
Haverá gente informada
Se é amor isto que sinto

Quero o meu primeiro beijo
Não quero ficar impune
E dizer-te cara a cara
Muito mais é o que nos une
Que aquilo que nos separa

Promete lá outro encontro
Foi tão fugaz que nem deu
para ver como era o fogo
Que a tua boca prometeu

pensava que a tua lingua
Sabia à flor de jasmim
Sabe a chicla de mentol
E eu gosto dela assim

Quero o meu primeiro beijo
Não quero ficar impune
E dizer-te cara a cara
Muito mais é o que nos une
Que aquilo que nos separa

10:12 PM  
Blogger rob said...

'pensava que a tua lingua
Sabia à flor de jasmim
Sabe a chicla de mentol
E eu gosto dela assim'

gosto especialmente desta estrofe

6:26 PM  
Blogger rob said...

This comment has been removed by a blog administrator.

6:27 PM  
Anonymous Fabs Costa said...

Grande Mestre!

Lindo, lindo, lindo!
Esta imagem rendeu!...

12:12 AM  
Anonymous Anonymous em Pessoa said...

O que é que apareceu primeiro?
O namoro (enamoramento), ou a poesia?

12:28 AM  
Anonymous O Bombeiro said...

Primeiro apareceu o Agosto, depois o namoro e por último..., a poesia!

12:41 AM  
Anonymous FlorBela Espanca said...

Ser poeta é ser mais alto,
É ser maior do que os Homens!
Morder como quem beija!
É ser mendigo e dar como quem seja
Rei do reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor
E não saber sequer que se deseja!
É ter cá dentro um astro que flameja,
É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de infinito!
Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim...
É condensar o mundo num só grito!

E é amar-te, assim, perdidamente...
É seres alma, e sangue, e vida em mim
E dizê-lo cantando a toda a gente!

1:07 AM  
Anonymous Pedro Abrunhosa said...

Eu não sei
Que mais posso ser
Um dia Rei,
Outro dia sem comer.
Por vezes forte,
Coragem de leão,
às vezes fraco,
Assim é o coração.

Eu não sei
Que mais te posso dar,
Um dia Joias,
Noutro dia o luar,
Gritos de dor
Gritos de prazer,
Que um homem também chora
Quando assim tem de ser

Foram tantas as noites,
Sem dormir.
Tantos quartos de hotel,
Amar e partir.
Promessas perdidas
escritas no ar,
E logo ali eu sei...

Tudo o que eu te dou,
Tu me dás a mim.
Tudo o que eu sonhei,
Tu serás assim.
Tudo o que eu te dou,
Tu me dás a mim.
Tudo o que eu sonhei,
Tu serás assim.

Sentado na poltrona
Beijas-me a pele morena.
Fazes aqueles truques
Que aprendeste no cinema.
+, peço-te eu,
Já me sinto a viajar.
Pára recomeça,
Faz-me acreditar.

Não, dizes tu
E o teu olhar mentiu
Enrrolados pelo Chão
No abraço que se viu.

É madrugada
ou é alucinação,
Estrelas de mil cores,
Extasy ou paixão

Hmm, esse odor,
Traz tanta saudade,
Mata-me de amor
Ou dá-me liberdade.
Deixa-me voar,
Cantar, adormecer.

Tudo o que eu te dou,
Tu me dás a mim.
Tudo o que eu sonhei,
Tu serás assim.
Tudo o que eu te dou,
Tu me dás a mim.
Tudo o que eu sonhei,
Tu serás assim.

1:27 AM  
Anonymous Miguel Gameiro e António Villas-Boas (Polo Norte) said...

Andar, nesta estrada
Por caminhos incertos
Tão longe e tão perto
Do que eu quero ser

Cantar uma balada
De sonhos despertos
E braços abertos
Para te conhecer

Mas na verdade,
Estou aqui para te sentir
Para te ver sorrir
Estou a aprender a ser feliz

Aquilo que eu quero ser
Ninguém me diz
A guitarra que ó toca por amor
Não acalma o desejo nem a dor

Bem vês companheira
Eu parto sózinho
Percorro o destino
às vezes sem querer
Talvez, também queira
Cantar-te baixinho
dar-te o meu carinho
E tudo esquecer

Mas na verdade,
Estou aqui para te sentir
Para te ver sorrir
Estou a aprender a ser feliz

Aquilo que eu quero ser
Ninguém me diz
A guitarra que ó toca por amor
Não acalma o desejo nem a dor

1:51 AM  
Anonymous Andret Sardet said...

Eu gostava de olhar para ti
E dizer-te que és uma luz
Que me acende a noite
me guia de dia e seduz

Eu gostava de ser como tu
Não ter asas e poder voar
ter o céu como fundo
ir ao fim do mundo e voltar

Eu não sei o que me aconteceu
Foi feitiço!
O que é que me deu?
para gostar tanto assim
de alguém como tu

Eu gostava que olhasses
para mim
E sentisses que sou o teu mar
Mergulhasses sem medo
Um olhar, em segredo
Só para eu te abraçar

Eu não sei o que me aconteceu
Foi feitiço!
O que é que me deu?
para gostar tanto assim
de alguém como tu

O primeiro impulso é sempre + justo
É + verdadeiro
E o primeiro susto
Dá voltas e voltas
Na volta redonda de um beijo profundo

Eu, eu não sei o que me aconteceu
Foi feitiço!
O que é que me deu?
para gostar tanto assim
de alguém como tu

2:05 AM  
Anonymous Anonymous said...

Xiiiiiii!...
Boa!

O André sardet, também vai ao jantar do blog?

3:10 PM  
Anonymous Fabs Costa said...

Não me parece!

O menu vai ser peixe!...,

Ao que parece, tainha e Boga e vai lá estar uma sereia encantada de olho azul, a cantar mornas...

5:23 PM  
Anonymous Francisco Menezes (7ªlegião) said...

De um porto perdido
Um dia partiu
Meu amor perdido
Quem será que o viu?

Eu conto a quem passa
Levou-te o mar...
Há festa na praça
já não sei dançar

Mas à noita há vozes aqui
São de longe, tão longe
E falam de ti

Um porto perdido
Um dia encontrou
Meu amor perdido
Que sempre voltou...

Eu conto a quem passa
A vida no mar
Já cantam na praça
E vamos dançar...

Mas à noite há vozes aqui
São de longe, tão longe
E chamam por ti

4:38 PM  
Anonymous Cristina M. said...

7ª Legião!
Quanta Saudade!

E o curioso é que todas estas letras são temas Portugueses, e alguns que deixaram grande saudade.

Boas escolhas!
Parabens!

Adorava ver aqui os jardins proíbidos do Paulo Gonzo ou alguma letra do Rui Reininho, que eu adoro...

1:17 AM  

Post a Comment

<< Home

Site Meter